Ver todas noticias

Fus√Ķes e aquisi√ß√Ķes entre as petroleiras retomam ao ritmo de antes da crise

Diante do consumo crescente em países emergentes e da estabilidade de preços em níveis elevados, o ritmo de negócios no setor de petróleo e gás recuperou, em 2010, o patamar pré-crise. As perspectivas para 2011 são de cotações mais altas (até o pico de US$ 100 o barril) e de demanda ainda bastante aquecida. As conclusões são de um estudo da consultoria Ernst & Young. O cenário favorável, diz a consultoria, permitiu o crescimento de 50% no número de fusões, aquisições e associações entre empresas do setor. Somente em ofertas públicas de ações foram registradas 45 aberturas de capital em Bolsas do mundo (como o a da brasileira HRT), ante apenas 17 em 2009. Os IPOs (ofertas iniciais de ações, na sigla em inglês) movimentaram US$ 11 bilhões - em 2009, o valor havia sido de US$ 1,6 bilhão. A retomada foi consistente no setor em 2010, puxada principalmente pelo consumo dos países emergentes, liderados pela China. Para garantir o suprimento de petróleo no longo prazo e assim sustentar seu crescimento econômico, as estatais chinesas procuram negócios ao redor do mundo. No fim de 2010, a Sinopec comprou uma fatia de 40% dos negócios da espanhola Repsol por US$ 7,1 bilhões.-MDC

Site da Eclipse